28.7.09

blues da piedade

Agora eu vou cantar pros miseráveis
Que vagam pelo mundo derrotados
Pra essas sementes mal plantadas
Que já nascem com cara de abortadas

Pras pessoas de alma bem pequena
Remoendo pequenos problemas
Querendo sempre aquilo que não têm
Pra quem vê a luz
Mas não ilumina suas minicertezas
Vive contando dinheiro
E não muda quando é lua cheia


Pra quem não sabe amar
Fica esperando alguém que caiba no seu sonho
Como varizes que vão aumentando
Como insetos em volta da lâmpada

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem


Quero cantar só para as pessoas fracas
Que tão no mundo e perderam a viagem
Quero cantar o blues
Com o pastor e o bumbo na praça
Vamos pedir piedade
Pois há um incêndio sob a chuva rala
Somos iguais em desgraça
Vamos cantar o blues da piedade

Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos pedir piedade
Senhor, piedade
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem.
(composição:Frejat / Cazuza)

26.7.09

FÁCIL É ESCREVER DIFÍCIL!

Quando comecei a fazer jornalismo há alguns bons anos, queria aprender a falar difícil como aqueles jornalistas experientes que eu invejava, ou como os radialistas que impostavam seus vozeirões e falavam, falavam... e a gente ficava ali ouvindo e imaginando coisas.
Eu queria ler muito, estudar muito, com o objetivo bem claro de escrever e falar tão bem quanto eles.
Durante a graduação em Jornalismo passei a questionar o que é escrever bem.
Será que um bom texto também tem aquele lance de que “depende do seu público alvo”?
Porque eu achava bonitos textos rebuscados, mas no fundo, eles eram complicados de entender.
É... Os tempos mudaram.
Agora temos a internet trazendo textos curtinhos, bem simples e rápidos, ideais pra quem não tem muito tempo disponível. Aí vem a Tevê e nos joga tudo pronto: texto objetivo que passeia sobre imagens atraentes, nem precisa pensar muito!
Meu desafio agora então não é mais escrever difícil e sim, ser compreendida pela grande massa que vê televisão e que se divide entre outras mídias, como a internet dos textos rapidinhos.
A dificuldade na construção de um bom texto passou a ser a síntese.
As pessoas não têm mais tempo para decifrar palavras difíceis, para ficar mais do que um ou dois minutos na frente da TV assistindo a uma reportagem.
Por isso, “escrever bem” se transformou na “arte de cortar palavras”, usar uma linguagem popular sem deixar o texto simplório, medíocre.
Mas até que ponto é bom entrar neste círculo vicioso de texto simples, rápido, fácil, que muitas vezes nem faz pensar, não questiona?
Não sei... Acredito que seja possível sim construir textos objetivos, atrativos e inteligentes ao mesmo tempo.
Ainda não descobri direito essa fórmula, mas sigo tentando sempre. Até porque minha inquietude não me permite sossegar em um estilo por muito tempo.
Nem deixar de questionar...
Enfim, como consumidores de mídia, não podemos esquecer que somos seres humanos, temos sentimentos, capacidade de pensar e decidir o que é bom pra nós.
Lembrem-se disso ao ler seu próximo texto ou ao ver a próxima reportagem na tevê!

17.7.09

Só uma mulher sabe o que é...

Passar a vida lutando contra o próprio cabelo
Lavar a calcinha no chuveiro e pendurá-la ali mesmo
Comprar uma blusa que não combina com nada só porque o preço estava bom
A impossibilidade de compreender qualquer manual de instrução
Fazer de tudo para não ser vista de óculos
Acumular coisas inacreditáveis dentro da bolsa
Ter que convencê-lo a usar camisinha
Ser tratada feito idiota pelo mecânico
Fingir naturalidade durante o exame ginecológico
Fazer depilação a cada 15 dias
Ficar infeliz porque não tem uma roupa que preste
A menstruação ter atrasado
Chorar na festa de fim de ano dos filhos
Fingir que não bebe água no gargalo
Fingir que não bebe!!
Não contar que já namorou 2 ao mesmo tempo
Ele nunca querer discutir a relação
ADORAR fazer compras
Sonhar em ter um marido rico
O poder de uma calça jeans para rediagramar a escultura do corpo
Ter que parecer natural após 2 horas no salão
Disfarçar uma noite de amor sem graça que ele insiste em perguntar se foi boa
Ser chamada de TIA!!!!!!!!!

fonte: orkut

13.7.09

O “MAL-ESTAR”

Uma mulher enlouquecida, uma frustração amorosa, uma justificativa para matar!
Qual é a explicação para tanta brutalidade?
Enquanto as coisas acontecem com outras pessoas, em outra cidade, em outro bairro, parece que estamos em outro mundo, protegidos, quase alheios à esta violência.
Mas de repente ela chega arrebatadora nos esfregando na cara o quanto somos frágeis. E leva aquela pessoa ávida por vida, por alegria, por paz!
E nós, ficamos feito bobos nos perguntando: por que?
Só peço a Deus que o convívio com este “mal-estar” da sociedade, esta busca incessante por mais e mais e melhor e melhor a qualquer preço, nunca me tire a capacidade de indignar-me com atitudes medíocres, como a que tirou a vida da minha amiga Dari.

12.7.09

PLÁGIO, PARA O "REI" PODE!

Em tempos de cinqüentenário da carreira do cantor Roberto Carlos, difícil mostrar algo inovador para quem é fã do “Rei” da música brasileira.
A Rede Globo tenta! Quem viu o videoclipe da música Detalhes, produzido pelo programa Fantástico, ficou encantado com o romantismo do audiovisual onde a escrita da letra da música surge e passeia suavemente sobre a atriz Mariana Ximenes ou se mistura às imagens e silhuetas do cantor.
Realmente, um efeito bonito de se ver.
Bonito, mas não novo.
A técnica chamada de palimpsesto, que corresponde à sobreposição de imagens através de recursos digitais, foi usada pelo cineasta Peter Greenaway no filme Prospero´s Book – A Última Tempestade, na década de 90, em uma adaptação da obra de Shakespeare para o cinema. O filme é complicado de entender, para quem gosta de semiótica, um prato cheio! Mas vale a pena pela inovação no uso de mídias digitais.
E não é só na TV que o cineasta é imitado. Outro dia, assistindo a um DVD da Madonna, percebi muita semelhança no uso de imagens nos telões e até na produção do Show com tudo o que há no filme.
É como diz o ditado: “Quem não cria, copia.”
Legal quando imitam quem tem qualidade, afinal, fãs do “Rei” Roberto e da “Rainha Pop” merecem, não?


Sobreposição de imagens no filme de Peter Greenaway.



O mesmo efeito utilizado no videoclipe de Roberto
Carlos para o Fantástico.

8.7.09

SEM OLHAR PRA TRÁS

Enviado pelo amigo Gerson Mioto, achei ótimo!
(clique sobre o desenho para abrir)



5.7.09

A dor da perda

Sempre que perdemos alguém muito próximo é natural refletirmos sobre o que estamos fazendo com a nossa vida e com quem está à nossa volta.
Venho de uma semana emocionalmente difícil...
E hoje, a notícia do assassinato de uma amiga muito querida me fez repensar muitas coisas.
Como por exemplo, o que motivaria o fim de uma vida tão intensa e feliz?
De uma jovem brilhante, cheia de sonhos e projetos de vida?
Olhando ela ali, naquele caixão, pálida e imóvel, tentei entender como é possível tamanha crueldade... foram cinco tiros, pelas costas, sem a menor chance de defesa.
Agora vejo uma família despedaçada, filhos sem mãe, amigos sem abraço, sem sorriso...
E por mais que deseje vingança, o que nessa hora é muito natural, nada vai acalmar a dor destes corações neste momento.
O que mais posso dizer?
Diga que você ama a quem ama, diga que sofre, que é frágil, que quer um abraço, um carinho.
Dê um beijo!
Porque depois que formos embora, isso é o que restará para confortar quem ficou...
Nem vingança, nem justiça, nem ódio... só isso!

4.7.09

Enquanto não superarmos a ânsia do amor sem limites
não podemos crescer emocionalmente.
Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão
continuaremos a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes,
é necessário ser um.

Fernando Pessoa

Quem sou eu

Minha foto
Pato Branco , Paraná, Brazil
Jornalista da Tv Sudoeste, Rede TV! uma das emissoras da Rede Celinauta de Comunicação.